Pesquisar neste blogue

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Integridade da luva cirúrgica

Avaliação da integridade das luvas cirúrgicas e fatores associados a defeitos das luvas

As salas operatórias  são ambientes de elevado risco onde os profissionais de saúde estão expostos a sangue e outros fluídos orgânicos. A luva é uma barreira que pode impedir a transmissão de microrganismos dos profissionais para os doentes e dos doentes para a equipa cirúrgica.
As luvas são tão importantes como a preparação cirúrgica das mãos. Mas podem ocorrer defeitos e microperfurações nas luvas expondo os profissionais de saúde e os doentes a complicações como é o caso da infeção cirúrgica. Muitas destas perfurações não são percebidas pelos profissionais de saúde.

O objetivo deste estudo foi determinar a taxa de perfuração da luva cirúrgica e os fatores associados a defeitos da luva.
Este estudo descritivo transversal foi conduzido entre janeiro e março de 2017 num centro hospitalar universitário na Tunísia e envolveu três departamentos cirúrgicos diferentes: urologia, maxilofacial e geral e digestivo.
As luvas foram recolhidas e testadas para detetar perfurações usando o waterleak teste conforme descrito na norma europeia NF EN 455-1. Para comparações percentuais, o teste χ2 foi utilizado com um limite de significância de 5%.
As luvas foram recolhidas, imediatamente após serem descalçadas pelos 49 utilizadores que participaram no estudo.
Foram recolhidas 284 luvas de duas marcas diferentes, das quais 47 estavam microperfuradas (taxa de 16,5%) com 52 perfurações.Todas as perfurações passaram despercebidas pelos elementos da equipa cirúrgica. A maioria das luvas perfuradas (61,7%) foram recolhidas após os procedimentos de urologia (P = 0,00005), 77% das luvas perfuradas foram colhidas quando a duração do procedimento excedeu 90 minutos (P = 0,001) e 96% da marca A, que eram a luvas mais espessas (P = 0,015).
O dedo mais perfurado foi o dedo indicador, com 18 perfurações (34,6%), seguido pelo polegar com 12 perfurações (23,1%) e o dedo anelar com 8 perfurações (15,4%). Ocorreu uma perfuração no dedo mindinho (1,9%). Quanto à localização da perfuração em relação ao domínio dominante das mãos, os resultados mostraram que o dedo indicador da mão não dominante era o local de perfuração mais comum (21,1%), seguido do polegar da mão não dominante (15,4%). É nenhuma das perfurações foram observadas pelos portadores de luvas.
Durante a cirurgia, as luvas estão expostas a uma variedade de produtos químicos e físicos, como torção; puxar; alongamento; e exposição a fluidos, gorduras ou substâncias químicas que influenciam a integridade de luvas e aumenta a taxa de perfuração.
Se a taxa de perfuração das luvas é baixa ou alta, a falha das luvas pode influenciar os doentes e os membros da equipe cirúrgica e expô-los a riscos graves. As bactérias podem passar por microperforações e rasgões de paciente ao cirurgião e vice-versa e transmitem doenças virais, incluindo
Hepatite B, hepatite C e VIH.
Este é um problema importante, por vezes desvalorizado pelas equipes cirúrgicas. As conclusões reafirmam a importância das luvas-duplas e mudança em cirurgias com mais de 90 minutos de duração. 


Sem comentários:

Enviar um comentário