Pesquisar neste blogue

domingo, 18 de fevereiro de 2018

OMS lança curso on-line sobre a prescrição de antibióticos
A Organização Mundial da Saúde lançou um novo curso on-line direcionado para a promoção da prescrição apropriada de antibióticos.
O curso, gratuito, reforça os conhecimentos dos médicos para abordar questões clínicas a partir de uma perspetiva de combate à resistência bacteriana.
A OMS afirma que, para preservar a utilidade destes medicamentos vitais e reduzir a resistência antimicrobiana, “todos os médicos devem administrar o uso de antimicrobianos prescrevendo-os adequadamente e orientando seus pacientes e colegas sobre o uso adequado deste recurso médico cada vez mais escasso”.
O programa, com uma duração de oito horas, compõe-se de 14 módulos, incluindo módulos específicos sobre tratamento de infeções respiratórias adquiridas na comunidade e alergia a antibióticos.
Uma declaração de participação será emitida para aqueles que completarem pelo menos 80% do curso.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Integridade da luva cirúrgica

Avaliação da integridade das luvas cirúrgicas e fatores associados a defeitos das luvas

As salas operatórias  são ambientes de elevado risco onde os profissionais de saúde estão expostos a sangue e outros fluídos orgânicos. A luva é uma barreira que pode impedir a transmissão de microrganismos dos profissionais para os doentes e dos doentes para a equipa cirúrgica.
As luvas são tão importantes como a preparação cirúrgica das mãos. Mas podem ocorrer defeitos e microperfurações nas luvas expondo os profissionais de saúde e os doentes a complicações como é o caso da infeção cirúrgica. Muitas destas perfurações não são percebidas pelos profissionais de saúde.

O objetivo deste estudo foi determinar a taxa de perfuração da luva cirúrgica e os fatores associados a defeitos da luva.
Este estudo descritivo transversal foi conduzido entre janeiro e março de 2017 num centro hospitalar universitário na Tunísia e envolveu três departamentos cirúrgicos diferentes: urologia, maxilofacial e geral e digestivo.
As luvas foram recolhidas e testadas para detetar perfurações usando o waterleak teste conforme descrito na norma europeia NF EN 455-1. Para comparações percentuais, o teste χ2 foi utilizado com um limite de significância de 5%.
As luvas foram recolhidas, imediatamente após serem descalçadas pelos 49 utilizadores que participaram no estudo.
Foram recolhidas 284 luvas de duas marcas diferentes, das quais 47 estavam microperfuradas (taxa de 16,5%) com 52 perfurações.Todas as perfurações passaram despercebidas pelos elementos da equipa cirúrgica. A maioria das luvas perfuradas (61,7%) foram recolhidas após os procedimentos de urologia (P = 0,00005), 77% das luvas perfuradas foram colhidas quando a duração do procedimento excedeu 90 minutos (P = 0,001) e 96% da marca A, que eram a luvas mais espessas (P = 0,015).
O dedo mais perfurado foi o dedo indicador, com 18 perfurações (34,6%), seguido pelo polegar com 12 perfurações (23,1%) e o dedo anelar com 8 perfurações (15,4%). Ocorreu uma perfuração no dedo mindinho (1,9%). Quanto à localização da perfuração em relação ao domínio dominante das mãos, os resultados mostraram que o dedo indicador da mão não dominante era o local de perfuração mais comum (21,1%), seguido do polegar da mão não dominante (15,4%). É nenhuma das perfurações foram observadas pelos portadores de luvas.
Durante a cirurgia, as luvas estão expostas a uma variedade de produtos químicos e físicos, como torção; puxar; alongamento; e exposição a fluidos, gorduras ou substâncias químicas que influenciam a integridade de luvas e aumenta a taxa de perfuração.
Se a taxa de perfuração das luvas é baixa ou alta, a falha das luvas pode influenciar os doentes e os membros da equipe cirúrgica e expô-los a riscos graves. As bactérias podem passar por microperforações e rasgões de paciente ao cirurgião e vice-versa e transmitem doenças virais, incluindo
Hepatite B, hepatite C e VIH.
Este é um problema importante, por vezes desvalorizado pelas equipes cirúrgicas. As conclusões reafirmam a importância das luvas-duplas e mudança em cirurgias com mais de 90 minutos de duração. 


sábado, 6 de maio de 2017

Doença dos Legionários - Nosocomial (Associada aos Cuidados de Saúde)

http://www.id.theclinics.com/

No último volume da revista Infectious Disease Clinics of North America, 2017-03-01, Volume 31, Edição 1, Páginas 155-165, é publicado este artigo que faz uma abordagem global acerca da Doença dos Legionários. Nomeadamente a doença associada aos cuidados de saúde.


Este artigo aborda a epidemiologia da doença de Legionário (LD) associada aos cuidados de saúde, analisa as características de vários surtos e discute estratégias para prevenir a infeção associada aos cuidados de saúde.
• A legionelose nosocomial é subestimada como causa de pneumonia nosocomial, especialmente se houver falta de consciência da presença de Legionella spp no abastecimento de água hospitalar .
• A doença do legionário deve ser analisada especialmente se não for encontrada outra etiologia para pneumonia.
• A prevenção da doença do legionário centra-se em reduzir o reservatório dos sistemas de água e inclui o chock térmico, a luz ultravioleta, a cloração, a ionização da fita-cobre e a filtração distal.

A doença do legionário nosocomial é mais frequentemente associada à presença do microrganismo nos sistemas de água das unidades hospitalares.

Os doentes são frequentemente suscetíveis como resultado da idade, comorbidades subjacentes, ou imunossupressão.

Embora Legionella spp seja causas incomuns de infeção nosocomial deve ser considerado como hipótese diagnostica se as culturas de vigilância de água forem positivas.

O documento de orientação do CDC (https://www.cdc.gov/legionella/about/history.html) sobre a prevenção da pneumonia associada aos cuidados de saúde define os casos confirmados laboratorialmente se o doente permanecer 10 dias ou mais continuamente numa instituição de cuidados de saúde antes do início da DL ou possível se passou de 2 a 9 dias em uma instituição de saúde antes do início da DL.

Como a Legionella spp multiplica-se em água artificiais com temperaturas de 20 ° C a 45 ° C a DL nosocomial pode ocorrer à medida que os doentes são expostos a tais fontes.

Em um estudo da Hungria, 90% dos hospitais analisados tinham Legionella no abastecimento de água. A maioria eram hospitais tinha mais de 30 anos de idade.

Nas instalações de cuidados de longa duração e lares de idosos a Legionella spp pode ser uma causa importante, mas não reconhecidas, de pneumonia.

Um plano de colheita por amostragem de água para a Legionella spp continua a ser discordante com diferentes razões e abordagens propostas.

As culturas de amostras de água são o método predominante para determinar a colonização. Mais recentemente, ficou disponível um ensaio de reação em cadeia de polimerase específico e sensível (método de PCR) mas que não diferencia microrganismos vivos ou mortos. Portanto, a cultura continua a ser o melhor teste de prática.

http://www.id.theclinics.com/

quinta-feira, 4 de maio de 2017

5 Maio






5 Maio - Dia mundial da Higiene das Mãos



No dia 5 Maio - Dia Mundial da Higiene das Mãos:

  • Todos os anos, no dia 5 de Maio a OMS comemora o Dia Mundial de Higiene das Mãos,  com o objetivo de melhorar as boas práticas nos cuidados de saúde.
    Este ano, a Campanha SAVE LIVES: Clean Your Hands, define como tema central e de acordo com os objetivos para o milénio, o problema crescente das resistências aos antimicrobianos e a influência das boas práticas em higiene das mãos neste contexto.
  • A OMS dirige o apelo a:
    • Políticos: Pare a propagação da resistência aos antibióticos, fazendo da prevenção de infeções e da higiene das mãos uma prioridade política nacional.
    • Dirigentes e administradores: Dirija um programa de prevenção e controle de infeções durante todo o ano para proteger seus doentes de infeções resistentes.
    • Profissionais de saúde: Higienize as suas mãos nos momentos certos e interrompa a propagação da resistência aos antibióticos.
    • Líderes e colaboradores PPCIRA: Implemente os principais componentes da OMS para a prevenção de infeções, incluindo a higiene das mãos, para combater a resistência aos antibióticos.

http://www.who.int/infection-prevention/campaigns/clean-hands/2017/en/