Pesquisar neste blogue

sábado, 6 de maio de 2017

Doença dos Legionários - Nosocomial (Associada aos Cuidados de Saúde)

http://www.id.theclinics.com/

No último volume da revista Infectious Disease Clinics of North America, 2017-03-01, Volume 31, Edição 1, Páginas 155-165, é publicado este artigo que faz uma abordagem global acerca da Doença dos Legionários. Nomeadamente a doença associada aos cuidados de saúde.


Este artigo aborda a epidemiologia da doença de Legionário (LD) associada aos cuidados de saúde, analisa as características de vários surtos e discute estratégias para prevenir a infeção associada aos cuidados de saúde.
• A legionelose nosocomial é subestimada como causa de pneumonia nosocomial, especialmente se houver falta de consciência da presença de Legionella spp no abastecimento de água hospitalar .
• A doença do legionário deve ser analisada especialmente se não for encontrada outra etiologia para pneumonia.
• A prevenção da doença do legionário centra-se em reduzir o reservatório dos sistemas de água e inclui o chock térmico, a luz ultravioleta, a cloração, a ionização da fita-cobre e a filtração distal.

A doença do legionário nosocomial é mais frequentemente associada à presença do microrganismo nos sistemas de água das unidades hospitalares.

Os doentes são frequentemente suscetíveis como resultado da idade, comorbidades subjacentes, ou imunossupressão.

Embora Legionella spp seja causas incomuns de infeção nosocomial deve ser considerado como hipótese diagnostica se as culturas de vigilância de água forem positivas.

O documento de orientação do CDC (https://www.cdc.gov/legionella/about/history.html) sobre a prevenção da pneumonia associada aos cuidados de saúde define os casos confirmados laboratorialmente se o doente permanecer 10 dias ou mais continuamente numa instituição de cuidados de saúde antes do início da DL ou possível se passou de 2 a 9 dias em uma instituição de saúde antes do início da DL.

Como a Legionella spp multiplica-se em água artificiais com temperaturas de 20 ° C a 45 ° C a DL nosocomial pode ocorrer à medida que os doentes são expostos a tais fontes.

Em um estudo da Hungria, 90% dos hospitais analisados tinham Legionella no abastecimento de água. A maioria eram hospitais tinha mais de 30 anos de idade.

Nas instalações de cuidados de longa duração e lares de idosos a Legionella spp pode ser uma causa importante, mas não reconhecidas, de pneumonia.

Um plano de colheita por amostragem de água para a Legionella spp continua a ser discordante com diferentes razões e abordagens propostas.

As culturas de amostras de água são o método predominante para determinar a colonização. Mais recentemente, ficou disponível um ensaio de reação em cadeia de polimerase específico e sensível (método de PCR) mas que não diferencia microrganismos vivos ou mortos. Portanto, a cultura continua a ser o melhor teste de prática.

http://www.id.theclinics.com/

quinta-feira, 4 de maio de 2017

5 Maio






5 Maio - Dia mundial da Higiene das Mãos



No dia 5 Maio - Dia Mundial da Higiene das Mãos:

  • Todos os anos, no dia 5 de Maio a OMS comemora o Dia Mundial de Higiene das Mãos,  com o objetivo de melhorar as boas práticas nos cuidados de saúde.
    Este ano, a Campanha SAVE LIVES: Clean Your Hands, define como tema central e de acordo com os objetivos para o milénio, o problema crescente das resistências aos antimicrobianos e a influência das boas práticas em higiene das mãos neste contexto.
  • A OMS dirige o apelo a:
    • Políticos: Pare a propagação da resistência aos antibióticos, fazendo da prevenção de infeções e da higiene das mãos uma prioridade política nacional.
    • Dirigentes e administradores: Dirija um programa de prevenção e controle de infeções durante todo o ano para proteger seus doentes de infeções resistentes.
    • Profissionais de saúde: Higienize as suas mãos nos momentos certos e interrompa a propagação da resistência aos antibióticos.
    • Líderes e colaboradores PPCIRA: Implemente os principais componentes da OMS para a prevenção de infeções, incluindo a higiene das mãos, para combater a resistência aos antibióticos.

http://www.who.int/infection-prevention/campaigns/clean-hands/2017/en/

quarta-feira, 15 de março de 2017

Colistina: Antibióticos do século 21

Resistência Natural ou intrinseca à colistina:
The pathogenic Neisseria spp., Moraxella catarrhalisHelicobacter pyloriProteus mirabilisSerratia marcescensMorganella morganiiChromobacterium and Brucella species are naturally resistant to colistin.  In Proteus mirabilis, Burkholderia cepacia and Chromobacterium violaceum, polymyxin resistance has been associated with the changes in lipid A.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Enterobacteriaceae ESBL -


A propósito da declaração da OMS de  e da primeira lista de "agentes patogénicos prioritários" resistentes aos antibióticos:
O grupo mais crítico de todos inclui bactérias multirresistentes que representam uma ameaça particular em hospitais, casas de repouso e entre os pacientes cujos cuidados exigem dispositivos invasivos. Incluem Enterobacteriaceas como a Klebsiella spp e  E. coli produtores de ESBL fazem parte da lista.



Importa ter em atenção que os doentes portadores destas bactérias requerem medidas de isolamento de contacto tal como os portadores de A. baumannii ou de outras bactérias multirresistentes.





OMS publicou hoje a sua primeira lista de "agentes patogénicos prioritários" resistentes aos antibióticos

OMS publicou hoje a sua primeira lista de "agentes patogénicos prioritários" resistentes aos antibióticos - um catálogo de 12 famílias de bactérias que representam a maior ameaça para a saúde humana.
A lista foi elaborada numa tentativa de orientar e promover a investigação e desenvolvimento (I & D) de novos antibióticos, como parte dos esforços da OMS para enfrentar a crescente resistência global aos medicamentos antimicrobianos.

A lista destaca, em particular, a ameaça de bactérias gram-negativas que são resistentes a múltiplos antibióticos. Essas bactérias têm habilidades intrinsecas para encontrar novas maneiras de resistir ao tratamento e podem transferir material genético que permite que outras bactérias se tornem resistentes também.
Esta lista é uma nova ferramenta para garantir que a I & D responda a necessidades urgentes de saúde pública, diz Marie-Paule Kieny, Subdirectora-Geral da OMS para Sistemas de Saúde e Inovação. "A resistência aos antibióticos está crescendo, e estamos ficando sem opções de tratamento, e se deixarmos as forças do mercado sozinhos, os novos antibióticos que precisamos mais urgentemente não serão desenvolvidos a tempo".
A lista da OMS é dividida em três categorias de acordo com a urgência da necessidade de novos antibióticos: prioridade crítica, alta e média.
O grupo mais crítico de todos inclui bactérias multirresistentes que representam uma ameaça particular em hospitais, casas de repouso e entre os pacientes cujos cuidados exigem dispositivos invasivos. Incluem Acinetobacter , Pseudomonas e várias Enterobacteriaceae (incluindo Klebsiella , E. coli , Serratia e Proteus ). Eles podem causar infeções graves e muitas vezes mortais, como infecções da corrente sanguínea e pneumonia.
Essas bactérias tornaram-se resistentes a um grande número de antibióticos, incluindo carbapenemes e cefalosporinas de terceira geração - os melhores antibióticos disponíveis para o tratamento de bactérias multi-resistentes.
As segunda e terceira séries da lista - as categorias de prioridade alta e média - contêm outras bactérias cada vez mais resistentes aos fármacos que causam doenças mais comuns como a gonorréia e a intoxicação alimentar causada por salmonelas .
A tuberculose - cuja resistência ao tratamento tradicional vem crescendo nos últimos anos - não foi incluída na lista porque é alvo de outros programas dedicados. Outras bactérias que não foram incluídas , tais como estreptococos A e B e clamídia, têm baixos níveis de resistência aos tratamentos existentes e não representam actualmente uma ameaça significativa para a saúde pública.
A lista foi desenvolvida em colaboração com a Divisão de Doenças Infecciosas da Universidade de Tübingen, na Alemanha, utilizando uma técnica de análise de decisão multicritério aprovada por um grupo de especialistas internacionais. Os critérios para a seleção de patógenos na lista foram: quão letal as infecções que causam são; Se o seu tratamento requer longas estadias hospitalares; Com que frequência eles são resistentes aos antibióticos existentes; Como eles se espalham facilmente entre os animais, dos animais aos seres humanos, e de pessoa para pessoa; Se podem ser evitadas (por exemplo, através de uma boa higiene e vacinação); Quantas opções de tratamento permanecem; E se novos antibióticos para tratá-los já estão no pipeline de I & D.
"Os novos antibióticos que visam esta lista de patógenos prioritários ajudarão a reduzir as mortes devido a infecções resistentes em todo o mundo", diz a Professora Evelina Tacconelli, Chefe da Divisão de Doenças Infecciosas da Universidade de Tübingen e um dos principais contribuintes para o desenvolvimento da lista. "Esperar por mais tempo causará mais problemas de saúde pública e impactará dramaticamente no atendimento ao paciente".
Mais I & D é vital, mas só isso não pode resolver o problema. Para resolver a resistência, também deve haver uma melhor prevenção de infecções e uso adequado de antibióticos existentes em seres humanos e animais, bem como o uso racional de qualquer novo antibióticos que são desenvolvidos no futuro.
Lista de microrganismos prioritarios da OMS para I&D de novos antibioticos:
Priority 1: CRITICA
  • Acinetobacter baumannii, carbapenem-resistant
  • Pseudomonas aeruginosa, carbapenem-resistant
  • Enterobacteriaceae, carbapenem-resistant, ESBL-producing
Priority 2: ALTA
  • Enterococcus faecium, vancomycin-resistant
  • Staphylococcus aureus, methicillin-resistant, vancomycin-intermediate and resistant
  • Helicobacter pylori, clarithromycin-resistant
  • Campylobacter spp., fluoroquinolone-resistant
  • Salmonellae, fluoroquinolone-resistant
  • Neisseria gonorrhoeae, cephalosporin-resistant, fluoroquinolone-resistant
Priority 3: MEDIA
  • Streptococcus pneumoniae, penicillin-non-susceptible
  • Haemophilus influenzae, ampicillin-resistant
  • Shigella spp., fluoroquinolone-resistant